Visão Trocada | 2006

Galeria Olido, São Paulo, SP

Blog Bienal 2005 | Camila Molina
É um jogo. A obra de um artista se transforma em obra de outro e assim por diante. Dessa maneira se construiu o projeto/mostra Visão Trocada, iniciativa dos artistas Sonia Guggisberg, Pazé, Nino Rezende, Adriana Rocha e Denise Adams, cujos trabalhos estão reunidos em uma exposição na Galeria Olido.
Cada artista cedeu três imagens fotográficas e, por meio de sorteio – é um ‘jogo cego’ -, cada um recebeu a poética do outro, o olhar do outro, para, assim, criar uma obra, totalmente nova. A proposta também se apresenta aberta: pesquisas, materiais e formas decorrentes da iniciativa ficariam a cargo de cada criador – os resultados não precisariam ser, por exemplo, outras fotografias. O artista torna-se propositor e criador. ‘A idéia central é estabelecer uma experimentação na produção de trabalhos de arte’, explicam os membros do grupos em texto. Aliás, vale reforçar que é uma experimentação em grupo. Cada um se apropria, se contamina no princípio, mas o resultado é individual e depende do espaço expositivo.
Nesse ‘diálogo invisível’, Pazé fez uma instalação a partir da coleta de objetos encontrados nas ruas da região central de São Paulo. Teve como base as fotografias de Sonia, ‘recortes da paisagem urbana’.
Por sua vez, Sonia Guggisberg mixou as imagens de Denise Adams, de pessoas submersas, veladas, em plásticos, gerando painéis moles e translúcidos – como bolhas nas paredes. E Denise criou um vídeo tendo como base as imagens de Nino Rezende.
Ao mesmo tempo, Adriana Rocha recebeu de Pazé fotografias em que aparecem a imagem ampliada do boneco, cópia do artista – o boneco aparece escalando ou caminhando por paredes, prédios. Adriana decalcou esse personagem em suas pinturas. E Nino Rezende fez uma parede de fotografias a partir das imagens de paisagens de Adriana. Criou outras fotografias acrescentando aos lugares figuras e corpos. O visitante poderá ver os passos dessas experimentações, já que as fotografias geradoras também estarão no local.