Travessia | Crossing | 2017

exhibitions | exposições

A Invenção da Praia
Curadoria Paula Alzugaray
Cassino da Urca, Istituto Europeo di Design (IED)
Rio de Janeiro
Artistas: Bruno Faria, Caio Reisewitz, Chiara Banfi, Giselle Beiguelman, Katia Maciel, Laercio Redondo, Laura Lima, Lula Buarque de Hollanda, Maria Laet, Mauricio Adinolfi, Nino Cais e Sonia Guggisberg.

Travessia é uma experiência visual e sonora.

Construído por arquivos documentais, o trabalho consiste em fazer do nicho escuro, dentro das Ruínas do Cassino da Urca no Rio de Janeiro, um local de reflexão para abordar a questão das migrações contemporâneas.

É um trabalho documental onde a trilha de sons direto mistura-se aos videos. No video, vê-se a projeção de uma escotilha que chacoalha e reproduz o balanço real do barco. Na trilha sonora, músicas trazidas pelos refugiados, de seus países de origem, são misturadas aos ruídos do barco. Em conjunto, sons e imagem, traduzem também o transbordamento da realidade que não se fez palavras.

Travessia faz parte de uma série trabalhos feitos a partir de uma pesquisa sobre o Redesenho das Identidades iniciado em 2015. Já tem como resultado algumas séries fotográficas e 5 documentários curta metragem.


As captações realizadas no Mediterrâneo e em campos de refugiados em Malta Lampedusa e na Grécia são passos realizados por Sonia Guggisberg na direção de criar um mapa visual e sonoro da onda de migrações contemporâneas que têm por destino diferentes cantos da Europa em busca de um mundo mais digno.

Quando um decreto-lei fechou os cassinos em 1946, estima-se que tenha deixado 55 mil brasileiros desempregados. Considerando que o Brasil tinha então 41 milhões de habitantes, tratava-se de 0,13% da população do País. Foi uma devassa em nome da moral, dos bons costumes e de uma boa dose de motivos escusos, como tudo o que vem sendo feito na administração pública nacional. Os cassinos deram lugar a novos hábitos e vícios. Mas sua noite vertiginosa, interrompida no ápice do giro das roletas e das vedetes, permanece em suspensão – ou sutil vibração – no interior escuro de edifícios abandonados.

Portas e janelas lacradas ao longo de quase quatro décadas, as ruínas do antigo Cassino da Urca, no Rio de Janeiro, recebem em setembro um projeto de arte, memória, ficção e arqueologia. Com curadoria de Paula Alzugaray, editora da seLecT, e participação de 11 artistas brasileiros, A Invenção da Praia: Cassino projeta lances de iluminação tênue sobre histórias do local.

Histórias de encontros entre passado e futuro (Laercio Redondo), de luz e sombra (Laura Lima), de pedra e areia (Caio Reisewitz), de som e sereias (Chiara Banfi), de fantasmagoria (Nino Cais), de memória e afetos (Giselle Beiguelman), de ausência (Maria Laet), de mar (Katia Maciel), de pescadores (Mauricio Adinolfi), de violência (Lula Buarque de Hollanda), de exílio (Sonia Guggisberg).

Construído sobre as areias da Praia da Urca para abrigar um hotel balneário, no mesmo ano da Semana de Arte Moderna de 22, o edifício abre-se por primeira vez a uma intervenção artística e abriga a lembrança de outro episódio moderno: o Museu à Beira do Oceano, projeto não realizado de Lina Bo Bardi para a Praia de São Vicente (SP), aqui evocado como um ícone máximo da invenção.

Paula Alzugaray