Buracos | Holes | 2010

exhibitions | exposições

Água na Oca
curadoria | curatorship Marcelo Dantas
apoio: Cinemalink

SUBSOLO A ÁGUA E A IMAGINÁRIO
Obras de Artistas Visuais de Todo o Mundo sobre a Plasticidade da Agua Artistas:
Thomas Demand, William Pye, Laura Vinci, Marcia Xavier, Raquel Kogan, Sonia Guggisberg, Rejane Cantoni, Agnes Meyer BrandisChristine de La Garenne, Gianfranco Foschino, Laura Glusman e as duplas Schoenfeld e Sewandono e Gisella Motta e Leandro Lima.
Sexta-feira, 8 de outubro de 2010

http://www.docol.com.br/planetaagua/h2o/agua-na-oca-o-desaguar/

Água na Oca: O DESAGUAR

Dando continuidade à série de posts sobre a feira Água na Oca, no Parque do Ibirapuera em São Paulo, hoje decidi falar sobre O DESAGUAR, eixo temático da exposição que mostra a água nas artes visuais, com obras interativas e contemporâneas de artistas plásticos de todo o mundo.

Como todo o resto da feira, essa parte foi muito bem ambientada. Tudo por lá remete à água: o cheiro, os sons de borbulho, a umidade, etc. Foi, sem dúvidas, uma das minhas partes preferidas, não só porque eu gosto de arte, mas também porque achei muito interessante ver a interpretação pessoal de cada um dos artistas sobre o tema e a respectiva reação que as suas obras causavam nos visitantes.

Ao entrar na Oca, a primeira coisa que se vê é a instalação de Rejani Cantoni, Raquel Kogan e Leonardo Crescenti, um grande tapete metálico que simula um espelho d’água e chama a atenção de todos. A intenção dos artistas nessa obra é colocar as pessoas na água sem molhá-las, e é isso que realmente acontece. A textura da obra e a iluminação, que dá a sensação de movimento, nos fazem realmente sentir que estamos caminhando pela água, sequinhos.

Outras obras que impressionam são as esculturas de água do londrino William Pye, que exploram os efeitos visuais dos movimentos da água. Uma delas recria um redemoinho d’água que se movimenta de acordo com a proximidade de seus observadores.

Zero Hidrográfico, a instalação com lâmpadas azuis e braços mecânicos, dos artistas Leandro Lima e Gisela Motta, simula o movimento de ondulações da superfície do mar.

Na obra Buracos, de Sonia Guggisberg, os visitantes podem observar de cima do deck as cenas projetadas de nadadores confinados em uma piscina.